Autor: Celi Zulke Taffarel
Email: taffarel@ufba.br
Pagina:

Este texto já foi lido: 511 vezes, e recebeu 0 comentarios
 Celi Zulke Taffarel
 

Data da publicação: 11/08/2009

HOMENAGEM A PIERRE BOUSSEL LAMBERT

Em memória de PIERRE BOUSSEL-LAMBERT

Em 16 de janeiro de 2008 faleceu Pierre Boussel Lambert, sendo seu corpo cremado, conforme sua vontade, no cemitério parisiense Père Lachaise, França.

Pierre Boussel-Lambert, nasceu em 1920 e morreu aos 87 anos de idade. Desde os 14 anos engajou-se no movimento operário e sindical na França, tendo se juntado à corrente que lutava pela criação da 4ª Internacional em 1936. Era o último representante vivo da geração denominada de “trotskismo histórico”, da qual faziam parte Ernest Mandel, Nahuel Moreno, Cannon, Livio Maitan, Joseph Hansen, Pierre Frank, Michel Pablo, Pierre Broué, Healy, Ted Grant, Raymond Molinier e tantos outros.

Esta geração defendia as idéias essenciais de Léon Trotsky, mas não havia unidade entre eles.  Tanto é assim que, no início dos anos 50, um debate dividiu a 4ª Internacional, opondo Pablo, Mandel, Livio e Frank a Lambert. Este tinha maioria do PCI (Partido Comunista Internacionalista) francês e continuou no combate pela construção da IV Internacional através do Secretariado Internacional. Os outros constituíram o que logo depois veio a se chamar o Secretariado Unificado da Quarta Internacional (SU).

Pierre Lambert jogou um papel central no combate pela preservação do programa da Internacional, com base no Programa de Transição de 1938, como única base possível para reconstruí-la, superando a crise e dispersão provocada pelo revisionismo no movimento, combate que levou à reproclamação da 4ª Internacional no Congresso Mundial de 1993 por ele presidido.

Durante a ocupação nazista da França na 2ª Guerra Mundial (1939-45) ajudou a manter viva a Confederação Geral dos Trabalhadores (CGT) na clandestinidade como dirigente sindical metalúrgico. Ao longo de sua larga trajetória militante, Lambert também ocupou responsabilidades sindicais em representação dos trabalhadores do setor de Seguridade Social em seu país.

Como militante internacionalista, Lambert ajudou a organizar reuniões de sindicalistas realizadas em Genebra por ocasião das Conferências anuais da OIT, colocando no centro a defesa da independência sindical e das convenções da OIT que protegem os direitos trabalhistas.

Somos testemunhas históricas, enquanto militantes da seção brasileira da 4ª Internacional, do profundo interesse e da contribuição decisiva que o camarada Lambert sempre dedicou ao movimento operário e à luta da juventude e dos negros no Brasil, país que visitou várias vezes como dirigente da 4ª Internacional. O camarada Pierre Lambert participou ativamente em toda elaboração da seção brasileira na ajuda à construção do Partido dos Trabalhadores, como uma representação política independente da classe trabalhadora.

Nunca deixou de contribuir nas discussões com seus camaradas, apesar da luta contra a doença nos últimos meses de vida. Demonstrou a necessidade da defesa da CUT como central sindical independente contra as políticas divisionistas de diferentes matizes que visam destruir esta conquista da classe operária de nosso país.

Como intelectual orgânico nos deixa um legado teórico que não só explica à tendência de destruição da humanidade, mas propõe o enfrentamento e a destruição dos pilares que sustentam o capitalismo. Suas contribuições podem ser encontradas na Revista A Verdade – Revista Teórica da Quarta Internacional. Lambert é uma referencia imprescindível de vida, exemplo a ser seguido.

Enquanto militante da seção Brasileira da IV Internacional dizemos que homenagear um militante e dirigente como Pierre Lambert, cuja trajetória se deu em relação direta com as lutas do movimento operário internacional ao longo dos últimos 70 anos, provoca um profundo sentimento de perda, cuja melhor resposta é seguir o seu exemplo continuando o combate que foi o combate de sua vida: ajudar, com todas as forças, a emancipação dos trabalhadores do jugo do capitalismo destruidor, ajudar os trabalhadores a organizar-se num terreno independente construindo a ferramenta indispensável que é a 4ª Internacional.

Ao expressar nosso pesar e enviar condolências aos companheiros, amigos e familiares de Pierre Lambert estamos homenageando a memória de um exemplar militante do movimento operário francês e internacional que deve SIM ser referencia para nossas vidas, referencia para a luta dos proletários, trabalhadores no Brasil e na América Latina.

 
Comentarios:  
 
Faça um comentario para este texto!